Eric Marienthal e Nelson Rangell - Duas grandes referências de timbre no sax alto

Desde que Adolphe Sax experimentou soprar as primeiras notas em seu primeiro protótipo de saxofone, iniciou-se um ciclo afetivo entre o ser humano e o instrumento batizado por saxofone. Ou seja, quando a patente do saxofone foi divulgada e quando o timbre do instrumento começou a ser explorado e “descoberto” por outros instrumentistas e entusiastas, teve inicio um tipo de relação emocional muito forte que levou muitos homens a dedicar parte de suas vidas à sua prática e, consequentemente, levou-os a explorar um universo técnico muito amplo no que tangia ao recém-criado instrumento musical.

Dessa relação e interação emocional surgiram grandes nomes que passaram a representar o saxofone em seus aspectos técnicos e expressivos e muitos destes foram os reais precursores de técnicas que depois foram publicadas em livros e em outros meios midiáticos existentes até o fim do século XIX, época em que o saxofone estava sendo incorporado nas mais diversas formações grupais de música erudita e popular. Em suma, desde que foi apresentado ao mundo, o saxofone conquistou várias legiões de compositores, músicos e apreciadores de música, que viam na estética física do instrumento e ouviam no seu timbre possibilidades expressivas impressionantes e que convertiam as ideias da mente humana em um novo tipo de manifestação sonora.

Dentre tatos saxofonistas que, desde o a década de 1840 até os dias atuais passaram por este mundo, destacam-se dois incríveis e expressivos seres humanos. São eles: Eric Marienthal e Nelson Rangell.

Leia também:

Nelson Rangell & Eric Marienthal

Saxofonistas Nelson Rangell e Eric Marienthal durante uma turnê com a GRP All-Star Big Band (Fonte da imagem: http://nelsonrangell.com)

Ambos os saxofonistas mencionados são naturais dos Estados Unidos da América e por lá, deram os primeiros passos no estudo do saxofone e sacramentaram-se como músicos de ponta, que adquiriram muitas de suas experiências tocando ao lado de outros músicos e em grupos que os “ensinaram” muito de que sabem até hoje. Além disso, Eric Marienthal e Nelson Rangell já têm suas carreiras consolidadas como profissionais de extrema competência, tanto é que cada um deles têm mais de dez discos autorais lançados e que são verdadeiros sucessos dentro da categoria instrumental da música e de gêneros como o smooth jazz, fusion e outros.

A identidade sonora de Eric Marienthal e Nelson Rangell

Uma das coisas que todo o saxofonista bem instruído busca, principalmente no início de sua carreira é o que pode ser chamado de “identidade sonora”. Na verdade, os músicos em geral fazem isso, mas pelo fato de o saxofone ser muito utilizado por solistas (sendo um instrumento essencialmente melódico), finda que muitos saxofonistas dedicam muito de suas vidas a essa busca de identidade de timbre.

A busca por um timbre particular no saxofone se baseia em referências, ou seja, o saxofonista iniciante ou intermediário tem que primeiro ouvir e/ou estudar por meio de métodos de outros celebrados saxofonistas ou teóricos no mundo do saxofone para depois pensar em ter o “seu som”. O fato é que há uma profundidade nesse raciocínio e formar uma identidade de timbre particular demanda muito tempo de pesquisa e experimentação por parte do saxofonista, além de várias combinações de seu setup, como palheta, braçadeira, boquilha instrumento e periféricos.

O reflexo sonoro do setup de Eric Marienthal e Nelson Rangell 

Desde que esses dois saxofonistas iniciaram suas carreiras como profissionais, muita coisa mudou e muitas concepções de saxofonistas e entusiastas mudaram junto a isso. Eric Marienthal e Nelson Rangell possuem no saxofone (nesse caso no sax alto) sonoridades riquíssimas, cheias de harmônicos e seus traços de identidade musical são inspiração para muitos, mas muitos saxofonistas mesmo! Acontece que, Marienthal e Rangell foram músicos muito disciplinados desde o início de seus estudos no instrumento e que foram muito bem instruídos por excelentes educadores musicais. O resultado disso foi o que eles são e representam hoje como saxofonistas.

Eric Marienthal, tendo passado por uma grande escola de música popular do mundo, em certo momento de sua vida adquiriu um saxofone alto da marca Selmer modelo Mark VI e uma boquilha Beechler Bellite 7. Esse set, combinado à sua palheta lhe rendeu um som cheio, com uma estética muito agradável aos que curtem música "pop" e boa parte de sua identidade de timbre se dá por meio da utilização desse conjunto de equipamentos.

Assim como Eric, Nelson Rangell recebeu ensinamentos preciosos desde o início de seus estudos no campo da música. Seu conjunto de equipamentos mais popular são um sax alto Selmer Mark VI e uma boquilha ARB 6 junto de suas palhetas. Ao utilizar esse conjunto, principalmente a boquilha ARB, Nelson tornou-se bastante conhecido por seu timbre mais brilhante que o convencional no sax alto,  também mais voltado ao lado "pop", assemelhando-se de certo modo ao som de alto dos saxofonistas Chris Hunter e David Sanborn.

Mas uma coisa é certa: 

Se Eric Marienthal e Nelson Rangell não tivessem uma formação musical sólida, de nada ou de muito pouco adiantaria eles possuírem um Selmer, uma Beechler, uma ARB ou quaisquer outros equipamentos. Na realidade, o som do saxofonista tem que estar formado em primeiro lugar na sua mente para depois ser transferido para o saxofone. 
Nisso, Eric Marienthal e Nelson Rangell são dois saxofonistas completos, pois, além de terem suas identidades de timbre formadas em suas mentes há muitos anos, continuam a produzir cada vez mais trabalhos de qualidade e que hão de inspirar mais e mais saxofonistas e apreciadores desse, que é um dos mais belos instrumentos do mundo!